Feeds:
Artigos
Comentários

Estou terminando o curso de jornalismo. No último período da faculdade, me sinto como quando chega o reveillon: olho para trás, avalio o que fiz e imagino o que será da vida daqui para frente. Nessas reflexões, sempre encontro em mim um espaço enorme para o projeto Coque Vive. Foi nele que eu tentei exercitar minhas inquietudes: quis convergir minhas dúvidas, críticas, vontades de mudanças em mim e no mundo.

E, mesmo em participações entrecortadas, quis dar o melhor que pude, porque é assim que acho que eu devia me doar àquilo que amo. E, para completar minha reflexões “reveillon”, na balança do que fiz e não fiz, ficou o amor – pelas pessoas, pelo lugar, pela vida que sempre surpreende e voa mais alto que os relatórios que marcam o fim de um projeto.

Relatório – Versão “light” (383 KB) Relatório – Versão “light”

Relatório – Versão completa (4,75 MB) Relatório – Versão completa

Álbum de fotos com as matérias coletadas – picasaweb.google.co.uk/coquevive

Mas voltemos ao relatório, que foi para isso que eu abri essa postagem. Deixo aqui o relatório da pesquisa que fiz, sob orientação de Yvana Fechine, com a colaboração de João Vale Neto, Monick Carla da Silva, Gutemberg Vieira de Lima e Rafael Filipe da Silva. Os sobrenomes junto com nomes são formalidades acadêmicas, claro.

O trabalho foi um levantamento de notícias publicadas na Folha de Pernambuco, de 1999 a 2007. Parte do resultado está no relatório e no album de com fotos das matérias que fizeram parte desse trabalho. Divido com que queira.

Anúncios

Brechó da BPC

Olá, gente amiga!

Cá estou na tentativa de atualizar este blog e contar as novidades. Neste ano que se inicia – já que estamos em março, suas águas já chegaram, e o carnaval acabou há duas semanas -, daremos início às nossas atividades e produções.

Neste sábado, 14 de março, faremos o Brechó da Biblioteca do Coque. As roupas e acessórios serão vendidos no salão da Igreja São Francisco de Assis do Coque. Ali logo ao lado da estação. A festa vai ser bonita e começará às 13h. Os itens custarão entre 1 real e 10 reais, e o dinheiro arrecadado será investido em reformas na estrutura da Biblioteca Popular do Coque.

Estão todos convidados.

Brechó da Biblioteca Popular do Coque, às 13h do dia 14 de março, na Igreja São Francisco de Assis do Coque.

A terceira edição do Cine Coque Vive de rua será parte da programação do Mercado Multicultural, evento organizado pela Secretaria de Cultura da Prefeitura do Recife. Desta vez, o mercado será na Academia da Cidade no Coque, que vai abrigar feira de artesanato com artistas da comunidade, shows com grupos musicais locais e a exibição de vídeo, durantes os dias 28, das 17h às 22h e 29 de novembro, das 16h às 22h. As atrações musicais que encerram as noites são Augusto César, na sexta (28), e o grupo Terra, de samba de raiz, no sábado (29), que apresenta na sua formação músicos do Coque.   

Complementando a programação deste fim de semana, o Cine Coque Vive fará parte das atividades do sábado, às 19h, com a exibição do documentário A Comunidade do Coque, feito por alunos de uma das primeiras turmas do curso de Produção e Gestão Cultural do projeto Multicultural da prefeitura. Entre os alunos, dois moravam no Coque, Irandir Lima e Marcelo Clemente, e facilitaram a produção do filme que recupera histórias curiosas desse bairro. Algumas delas são as visitas do presidente João Figueiredo, prometendo a posse da terra, e do papa João Paulo II, que celebrou uma missa no viaduto Joana Bezerra. Outras histórias e personagens compõem esse documento que traz à tona parte da memória política do Coque ainda pouco lembrada pelo Recife.

O Cine Coque Vive é uma iniciativa do Movimento Arrebentando Barreiras Invisíveis (MABI), do projeto de extensão do curso de Comunicação da UFPE, Coque Vive, e do Observatório de Favelas. Consiste da exibição de vídeos-debate na Biblioteca Popular do Coque e de exibições de rua, que excepcionalmente, neste mês, acontecerá dentro da programação do Mercado Multicultural.

Mais informações:

Cine Coque Vive
9219.7867

Multicultural:
8651.0337 / 3232.1669

O Coque Vive está entre os dez finalistas do Prêmio Nacional em Direitos Humanos. O projeto da Universidade Federal de Pernambuco concorre ao prêmio máximo na categoria “Educação em Direitos Humanos na Extensão Universitária”. Também é finalista da categoria o programa de educação continuada de professores, promovido pela Universidade Estadual do Norte Fluminense, no Rio de Janeiro. A premiação, que acontecerá em Brasília no dia 03 de dezembro, é promovida pela Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI) em parceria com o Ministério da Educação, a Secretaria Especial de Direitos Humanos e a Fundação SM.

A Rede de Resistência Solidária (RRS) é o mote de discussão do último debate programado pelo Observatório de Favelas para o Cine Coque Vive, em 2008. As redes sociais, tema que finaliza a série de debates, serão discutidas nesta sexta-feira, na Biblioteca Popular do Coque, a partir da exibição do documentário De Casa em Casa, às 15h, feito por Laura Guimarães, Fernando Marron e  Tatarana Filmes. Esse vídeo ilustra a proposta da RRS em se construir relações e alternativas à desagregação social.


 
A RRS congrega grafiteiros, grupos de hip hop, coletivos como o Gambiarra Imagens (produtor de vídeos alternativos e comunitários), entre outros “cooperantes”, como costumam ser chamados os participantes da Rede. 

No documentário De Casa em Casa, grafiteiros, pintores e outros cooperantes falam sobre como uma comunidade pode construir coletivamente um mercado próprio, uma comunicação independente e outras ações que concretizem a resistência. “Dentro da Rede a gente está estudando formas práticas de produzir o que a comunidade precisa consumir”, exemplifica Galo d’Souza, grafiteiro e integrante do grupo de hip hop Êxito d’Rua, em um dos depoimentos do filme.

O Cine Coque Vive é uma iniciativa do coletivo Movimento Arrebentando Barreiras Invisíveis (MABI), do projeto de extensão do curso de Comunicação da UFPE, Coque Vive, e do Observatório de Favelas. Tem por objetivo promover vídeo-debates e exibições de rua no bairro do Coque.

 Cine Coque Vive debate Redes Sociais

Quando: sexta-feira, dia 14 de novembro

Onde: Biblioteca Popular do Coque. Rua Centenário do Sul, nº 70, Coque. Recife, PE

Próximo à estação de metrô Joana Bezerra

Entrada gratuita

Mais informações: 9219.7867 / 8745.2648

Clique aqui para saber como chegar à Biblioteca Popular do Coque

Ficha Técnica do filme De Casa em Casa:

Direção e Câmera: Laura Guimarães e Fernando Marron
Direção de Fotografia e Edição: Fernando Marron
Roteiro Produção Executiva:Laura Guimarães
Realização: Laura Guimarães & Tatarana Filmes

Os pesquisadores franceses Armand e Michele Mattelart e o americano John Dawning visitaram o projeto Coque Vive, desenvolvido numa favela do Recife. Durante a experiência, eles afirmaram que a ação pode influenciá-los em seus futuros trabalhos acadêmicos.

 

Para John Dawning, professor da Universidade do Texas (EUA) e autor do livro Mídia Radical, o que mais impressiona no Coque Vive é o fato de a comunicação não ser o único foco do projeto. “Aqui é diferente de outras ações de comunicação alternativa no mundo, porque existe uma preocupação com as reais necessidades da pessoa”, afirmou.

Armand e Michele Mattelart, professores da Universidade Paris VIII (França), disseram-se admirados com o que encontraram no bairro do Coque. Armand ressaltou, surpreso, o prazer pela prática pedagógica demonstrado pelas pessoas envolvidas no projeto.

A visita aconteceu no último sábado, dia 18 de outubro, e foi parte da programação da IV Conferência de Mídia Cidadã, realizada em Recife e que teve início no dia 16 do mesmo mês. Na ocasião, foram também ao Coque mais de 40 pesquisadores, profissionais e estudantes de comunicação de todo o Brasil, participantes da Conferência.

 

Os visitantes puderam conversar com os educadores do Coque Vive e conhecer o Núcleo Educacional dos Irmãos Menores de Francisco de Assis (Neimfa). Eles também tiveram oportunidade de ver a Biblioteca Popular do Coque, fundada pelo projeto, e as futuras instalações da Estação Digital de Difusão de Conteúdo – um estúdio musical e de edição audiovisual que está sendo implantado no Neimfa, ainda sem data prevista para inaguração.

 

Após a ida ao Coque, os conferencistas foram à Escola Oi Kabum, coordenada, em Recife, pela ONG Auçuba e que também desenvolve atividades em comunicação voltadas para adolescentes de favelas da cidade.

 

O Coque Vive é um projeto de extensão em comunicação da Universidade Federal de Pernambuco que busca, desde 2006, mudar a imagem do bairro do Coque, habitualmente retratado na mídia como um local violento. São parceiros do projeto o Neimfa, o Movimento Arrebentando Barreiras Invisíveis (MABi) e o Observatório de Favelas.

O Cine Coque Vive desta sexta, dia 31, é o penúltimo da série de debates sobre os marcos conceituais trabalhados pelo Observatório de Favelas. O tema dessa vez será o tráfico de drogas, debatido a partir do filme Notícias de uma Guerra Particular. A sessão ocorrerá na Biblioteca Popular do Coque, às 15h. O objetivo dessa programação inicial do Cine Coque Vive, que ocorre desde setembro, é que os marcos conceituais sejam discutidos preferencialmente com o público jovem através do vídeo-debate.

Notícias de uma Guerra Particular é um documentário que reúne entrevistas dos personagens dessa guerra: policiais, inclusive de Rodrigo Pimentel, ex-capitão do Bope, além de figuras como o Gordo, fundador do Comando Vermelho e moradores do morro Dona Marta, no Rio de Janeiro. Essas visões são contrapostas, dificultando louvações ao Bope ou a qualquer outro herói de guerra. Lançado em 1999, tem a direção de Kátia Lund e de João Moreira Sales.

O Cine Coque Vive é uma iniciativa do Movimento Arrebentando Barreiras Invisíveis, MABI, do Observatório de Favelas e do projeto de extensão em comunicação da UFPE, Coque Vive. Para o dia 14 de novembro, já está programado o último debate da série dos marcos conceituais do Observatório: Redes Sociais. Além disso, no dia 28, ocorrerá uma exibição de rua acompanhada de apresentações culturais, na Academia da Cidade, a partir das 18h.

Cine Coque Vive debate tráfico de drogas

Quando: sexta-feira, dia 31 de outubro, às 15h

Onde: Biblioteca Popular do Coque. Rua Centenário do Sul, nº 70, Coque. Recife, PE

Entrada gratuita

Mais informações: 9219.7867